Tag: ecommerce

Pesquisa ECBR realidade logística dos pequenos e médios e-commerces

Pesquisa ECBR realidade logística dos pequenos e médios e-commerces . No último dia 18 de agosto, a greve dos Correios afetou em especial os pequenos e médios e-commerces brasileiros. Isso porque, segundo levantamento da Loja Integrada, para cerca de 86% desse perfil, os Correios são o principal modal de frete. Para melhor entender o processo de entregas do mercado online, o portal E-Commerce Brasil realizou a pesquisa “Logística Externa”, que reuniu dados logísticos de 99 lojistas brasileiros.

Pesquisa ECBR realidade logística dos pequenos e médios e-commerces brasileiros
Pesquisa ECBR realidade logística dos pequenos e médios e-commerces brasileiros

Entre os pontos levantados, ficou evidenciado que os Correios ainda são de extrema importância para esse mercado. Afinal, 65 dos entrevistados afirmaram utilizar a empresa de logística como principal canal, enquanto apenas 13 delas alegam o uso de frota própria (66% também disseram utilizar transporte terceirizado, como caminhão, carro e motocicleta).

Logística e acompanhamento

Entre os meios mais utilizados para entregas, ficou assim: caminhão (55%), carro (25%), motocicleta (14%), avião (4%) e bicicleta (1%). Além disso, as respostas permitiram entender os principais motivos para o uso dos Correios como opção de entregas. O custo elevado das transportadoras ainda é um impeditivo para os pequenos e médios e-commerces. Prazo e rastreabilidade também somaram nessa questão, tanto por parte das transportadoras como das lojas virtuais. Vale ressaltar que 69% das empresas ainda não contam com sistemas de gerenciamento de transporte (TMS) a fim de otimizar as entregas.

Logística reversa

Apesar da greve, os Correios garantiram que tanto a logística reversa, como Coleta Programada da empresa não foram afetadas. E ao que tudo indica não é apenas a estatal que realiza um bom trabalho de logística reversa. Entre os e-commerces pesquisados, 85 deles contam com uma política rigorosa de trocas e devoluções. Sobre a porcentagem de devoluções no ambiente digital, ficou assim:

  • Entre 47% dos pesquisados, somente em 1% das vendas foi devolvida;
  • Para outros 19%, esse número ficou entre 1% e 2%:
  • 16% afirmaram que a devolução é entre 2% e 4%;
  • Já 8% disseram que entre 4% e 6% das entregas são devolvidas;
  • E, por fim, 7% disseram ter entre 6% e 8% dos produtos devolvidos.

Indicadores logísticos

Dado os resultados, perguntamos quais seriam os indicadores dos processos logísticos utilizados pelos pesquisados. Apesar de alguns ainda não saberem como mensurar os resultados, percebemos outra grande parte já engajada nos dados. Para esse segundo grupo, a análise foi possível devido à utilização da SLA (Service Level Agreement) no contrato com a prestadora de serviços. Os registros gerados pela SLA, nesse caso, contribuem para a análise de resultados e, consequentemente, reparação dos erros de operação.

Outros três indicadores utilizados pelos pesquisados foram:

  • OTIF (On Time, in Full): mostra o número de pedidos entregues corretamente e dentro do prazo;
  • OTD (On Time Delivery): revela o tempo entre separação do pedido  e expedição da transportadora;
  • OTP (On Time Processing): calcula o tempo total de processamento do pedido. Mensura desde o momento da disponibilização do produto, passando pela separação e expedição à transportadora.

A logística e a experiência do cliente

O e-commerce busca a cada vez mais oferecer experiências personalizadas aos clientes. E, claro, a logística não foge dessa máxima. Questionadas sobre opções de entregas exclusivas aos compradores, apenas 35% das empresas afirmaram se adaptar às particularidades quando requeridas. Já as demais 64% disseram não oferecer essa opção, apesar de ter no catálogo os modelos de entrega normal, expressa e agendada.

Em contrapartida, a maior parte garante entregar uma experiência acima da média quando o assunto é “embalagem”. Para 48% dos respondentes, os produtos são entregues em embalagens (caixas) personalizadas, enquanto 34% disseram fazer as entregas em caixas lisas. Sacos invioláveis personalizados compõem a realidade de 23% da empresas, enquanto 15% utiliza caixas de papelão reutilizadas e 5% dizem utilizar outro formato de embalagem — bobina de papel kraft, sacolas personalizadas, envelopes de papel e de plástico compõem esse perfil.

Existem outras alternativas como para pequenos e médios e-commerces: Jadlog e plataformas de frete

Apesar da Pesquisa aferir o impacto da greve dos Correios existem outras alternativas no mercado como transportadoras com cobertura nacional que a cada dia são mais utilizados por ecommerce de todos os tamanhos.

Entre as alternativas destaco a Jadlog que possui quase 500 pontos de captação de despacho de remessas em cidades de todos os portes e em todos estados brasileiros. A Jadlog ainda tem um serviço chamado Pickup que permite a entrega das através de milhares de pequenos comércios, com fretes menores. O Pickup é uma experiencia de sucesso na Europa que o Grupo DPD (novo controlador da Jadlog) trouxe para o BRasil.

Além disto a cada dia surgem diversas plataformas que negociam fretes com o uso de etiquetas inteligentes (smart labels) que permitem acesso a rastreamento das remessas a preços competitivos no mercado.

Fonte: Ecommerce Brasil com adaptações do Blog Rogerio

1+

Sequoia logística fará IPO na B3

Sequoia logística fará IPO na Bovespa .

A companhia de logística Sequoia, especializada no mercado de e-commerce, pediu nesta sexta-feira, 14/08/2020) registro para uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) e listagem na B3 (B3SA3).

Sequoia logística fará IPO na B3
Sequoia logística fará IPO na B3

A empresa com sede em Embu das Artes, região metropolitana de São Paulo, é controlada pelo administrador de fundos de private equity Warburg Pincus, com 70,5% do capital, que será vendedor na oferta secundária ao lado da Fram Capital Sherman.

A Sequoia se apresenta como líder em logística para comércio eletrônico no país, tendo em junho passado mais de 2.600 clientes, incluindo oito das 10 maiores empresas do setor e que fazia entrega expressa em mais de 3,3 mil cidades. Sua receita líquida somou 376,5 milhões de reais no primeiro semestre, aumento de 58,4% contra um ano antes.

O prospecto (clique aqui para acessar o documento) afirma que a empresa opera com 1.781 caminhões terceirizados e 188 próprios, 3.794 fiorinos e vans e 2,6 mil motocicletas, a partir de 11 centros de distribuição e 394 bases operacionais, por meio das quais fez mais de 17 milhões de entregas no primeiro semestre deste ano.

O anúncio vem na esteira da guinada no comércio eletrônico no Brasil nos últimos meses, diante dos efeitos das medidas de isolamento social tomadas para conter a pandemia da Covid-19, que fechou milhares de estabelecimentos pelo país.

“O mercado de ecommerce no Brasil, que apresenta um rápido crescimento, ainda é pouco explorado em comparação com o de outras grandes economias, o que cria uma forte e sustentável demanda pelos nossos serviços”, afirma a companhia no documento.

A empresa, cujo IPO será coordenado por BTG Pactual, Santander, Morgan Stanley e Banco ABC Brasil, diz que tem uma estrutura enxuta de ativos e que a despesa de capital representa menos de 2% da receita.

A empresa pretende usar os recursos da oferta primária para fazer aquisições no setor, para otimizar sua estrutura de capital e para investir em automação.

Fonte: Money Times

2+

Admirável mundo novo

Admirável mundo novo  . Não este artigo não é sobre a obra “1984” de Aldous Huxley , que falava no “Grande Irmão”, o conhecido “Big Brother” e muito menos sobre o reality show homônimo. Aliás o livro li ainda adolescente e recomendo a quem ainda não o fez. Queria falar sobre o “novo normal”. Você já pensou como será sua vida dentro de algumas semanas, quando as medidas de isolamento social forem relaxadas?

Admirável mundo novo
Leia mais
2+

Mercado Livre investirá R$4bi no Brasil

Mercado Livre mantem investirá R$4bi no Brasil . O Mercado Livre deve manter o plano de investir cerca de 4 bilhões de reais no Brasil em 2020, uma vez que a alta no comércio eletrônico provocada pelas medidas de isolamento social deve compensar os efeitos negativos do coronavírus em seu principal mercado, disse um executivo da companhia.

Mercado Livre investirá de R$4bi no Brasil
Leia mais
2+