Tag: correios

ecommerce de Portugal vale 5,9 bilhões de euros

ecommerce de Portugal vale 5.9 bilhões de euros . A conclusão é do ‘CTT e-Commerce Report 2019’, divulgado esta sexta-feira. O relatório indica que o consumidor português gastou em média 51,1 euros em compras online, em 2019. Em 2020, esse valor deverá subir para 56,6 euros. O comércio eletrónico deverá crescer entre 40% e 60% este ano. .

ecommerce de Portugal vale 5.9 bilhões de euros
ecommerce de Portugal vale 5.9 bilhões de euros
Leia mais
2+

Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras

Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras . “Mais dinheiro ou menos regras”. CTT impõem condições para assegurar serviço universal de correio . De acordo com a edição em papel de hoje, dia 24 de outubro, do jornal ‘Expresso’, os “CTT querem mais dinheiro ou menos regras para manter serviço universal”, porque a “travagem decorrente da pandemia provoca descida de dezenas de milhões nas receitas (…)”, da empresa.

Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras. Fonte Jornal Econóico Pt
Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras – Fonte: Jornal Económico PT
Leia mais
1+

Privatização dos Correios

Privatização dos Correios . Os Correios precisam de grandes investimentos para a modernização de sua estrutura, hoje fortemente sucateada. Ficaram para trás os tempos em que os Correios cuidavam de entregar cartas, telegramas e materiais impressos. Hoje, quase ninguém mais escreve cartas, cartões-postais ou cartões de boas-festas.

Privatização dos Correios . Foto Selo Olho de Boi. Fonte O Estado de São Paulo
A série Olho de Boi foi a primeira série de selos do Brasil, com início em 1843  Foto: Acervo Estadão

Com a implantação do Pix e de outros serviços instantâneos de pagamentos, até mesmo o envio de boletos bancários por via postal está com seus dias contados. Os correios eletrônicos e mensageiros como o WhatsApp e o Telegram passaram a cuidar da comunicação imediata entre pessoas e entre empresas.

E, no entanto, os Correios continuam essenciais na entrega de correspondências, documentos e mercadorias. A pandemia produziu uma explosão de demanda por serviços de entrega. Mas, em vez de ocupar esse largo espaço de mercado, os Correios no Brasil acumulam ineficiência, reclamações por extravio, por atrasos e por danos nas encomendas.

Os Correios precisam de grandes investimentos para a modernização de sua estrutura, hoje fortemente sucateada. Mais do que a repisada incompetência de sua administração, é a falta crônica de recursos do Tesouro para dar conta dos investimentos para a modernização que empurra os Correios para os capitais privados e para a desestatização, projeto antigo, mas nunca enfrentado com determinação.

No dia 14, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, entregou ao presidente Bolsonaro documento que prevê a formatação de um esquema de privatização. Depois de passar pelo crivo da Secretaria da Presidência, o projeto deverá ser encaminhado ao Congresso para as decisões sobre o caso.

Os Correios são instituição antiga. Seus primeiros passos remontam a 1663, quando o Brasil ainda não passava de colônia de Portugal. A coesão nacional, precária naqueles tempos e também depois, não é inteiramente explicada sem a integração proporcionada pelos serviços postais. O Brasil foi o segundo país do mundo a emitir selos postais. A série Olho de Boi, a primeira a sair por determinação do imperador, em 1843, é uma das mais valorizadas pelos filatelistas. (Veja foto.) 

Foi o aprofundamento da crise da empresa e o empenho do setor privado em ocupar nichos novos que parecem ter tornado inevitável esse novo passo. Até agora não foram reveladas as diretrizes do projeto, se a empresa seria privatizada por inteiro  de uma vez ou se fatiada por região, como aconteceu com a Telebrás. Nem como ficaria a situação dos seus funcionários. Proposta de criação do Banco Postal não avançou. Mas o projeto já enfrenta enormes resistências, a começar pela da corporação dos seus funcionários, que temem perder as tetas do Estado.

O principal critério para nortear a definição não deveria ser nem corporativo nem ideológico. Deveria ser o interesse público ou, mais particularmente, a procura da eficácia de um serviço essencial para a população, num momento em que o mundo passa por uma revolução tecnológica e o comércio eletrônico ganha enorme impulso.

Fonte: Celso Ming e Jornal O Estado de São Paulo

0

Pronta a primeira versão de projeto para privatizar Correios em 2021

Pronta a primeira versão de projeto para privatizar Correios em 2021. O Ministério das Comunicações encaminhou hoje à Secretaria de Assuntos Jurídicos, órgão do Palácio do Planalto, a primeira versão do projeto de lei que pretende realizar a privatização dos Correios no ano que vem.

Pronta a primeira versão de projeto para privatizar Correios em 2021
O ministro das Comunicações, Fábio Faria, entregou ao ministro Jorge Oliveira, da Secretaria Geral da Presidência da República, o projeto de lei que permite o processo de privatização dos Correios
Leia mais
1+

Quebra do monopólio dos Correios deve ser única privatização no ano

Quebra do monopólio dos Correios deve ser única privatização no ano . O ministro da Economia, Paulo Guedes, tinha prometido apresentar até quatro grandes vendas no início de outubro, o que não foi cumprido

Quebra do monopólio dos Correios deve ser única privatização no ano Guedes defende há tempos venda dos Correios
Quebra do monopólio dos Correios deve ser única privatização no ano

Guedes defende há tempos venda dos Correios

Fontes da área econômica admitem que “o máximo que será possível” fazer com privatizações em 2020 é a quebra do monopólio dos Correios no serviço postal.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, tinha prometido apresentar até quatro grandes privatizações no início de outubro, o que não foi cumprido. A avaliação da área econômica é que as privatizações não andaram porque a política não deixou e o tema foi travado no Congresso. As fontes dizem, no entanto, que já há um acordo para a privatização de quatro estatais.

O time de Guedes tentou acelerar, em junho, o processo de privatização da Eletrobrás e dos Correios. As duas companhias estão na fila, na verdade, desde o início do governo do presidente Jair Bolsonaro, e são parte da agenda liberal do ministro apresentada ainda no período de campanha presidencial.

A investida em junho também previa destravar a venda da PPSA, estatal que opera a parte da União no pré-sal, cujos poços valem US$ 100 bilhões, segundo a fonte.

O governo também enviou um projeto de capitalização da Eletrobrás ao Congresso, mas a proposta está parada. Esse plano está em discussão desde o governo do ex-presidente Michel Temer (MDB).

Promessa

No começo de julho, Guedes prometeu: “Nós vamos fazer quatro grandes privatizações nos próximos 30, 60, 90 dias”. Um mês depois, ele repetiu o prazo: “nos próximos 30 a 60 dias”. Mas, na ocasião, ele fez um ajuste e começou a prever o anúncio de três ou quatro grandes companhias.

Em nenhuma das falas, o ministro listou quais seriam as estatais a serem privatizadas. “Vamos esperar um pouquinho. Vocês vão saber já já”, declarou em julho, em entrevista à CNN Brasil.

Ainda em agosto, a secretária especial do PPI (Programa de Parcerias de Investimento) do Ministério da Economia, Martha Seillier, afirmou que um projeto de lei para rever o monopólio dos Correios no serviço postal seria enviado ao Congresso “nas próximas semanas”. No caso da PPSA, também não houve avanço.

Em embate com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o ministro acusou o deputado de travar a agenda de privatizações, apesar de Guedes não ter cumprido o cronograma de envio das propostas de venda de estatais.

Maia respondeu: o ministro está “desequilibrado”. O principal ponto de atrito é o projeto de privatização da Eletrobrás, que está travado na Câmara por falta de apoio da base aliada do governo.

Embora tenha se desfeito de participações do governo em empresas privadas, a gestão Bolsonaro não conseguiu fazer a agenda de privatizações andar e a venda de estatais está travada.

O governo Bolsonaro chegou a criar uma nova estatal, a NAV, responsável pela navegação aérea.

Fonte: R7 e Estadão

1+

Privatização dos Correios projeto de lei será sancionado nesta terça

Privatização dos Correios projeto de lei será sancionado já nesta terça .Texto que determina a quebra de monópolio da estatal já está pronto e deve ser assinado no dia 13 pelo ministro Fábio Faria, das Comunicações Em entrevista exclusiva à EXAME no sábado 10/10/20,

Privatização dos Correios projeto de lei será sancionado nesta terça
Privatização dos Correios projeto de lei será sancionado nesta terça
Leia mais
1+

“Clique e Retire” dos Correios está em todas as agências

“Clique e Retire” dos Correios está em todas as agências . Os Correios vão ampliar o recurso Clique e Retire, possibilitando o uso do CEP de uma agência próxima de casa (mesmo que ela não ofereça diretamente o serviço) como endereço de recebimento de compras feitas pela internet. O serviço atende principalmente quem mora em casa e está ausente durante o horário comercial.

"Clique e Retire" dos Correios está em todas as agências
“Clique e Retire” dos Correios está em todas as agências
Leia mais
2+

Afinal qual era o problema dos Correios Portugueses?

Afinal qual era o problema dos Correios Portugueses? Gosto do contraponto e para reflexão reproduzo o artigo de Claudia Madeira publicado no Jornal Económico no momento que se discute a privatização dos Correios Brasileiros. Só para deixar claro, eu sou favoravel a venda dos Correios Brasileiros e a desregulamentação dos serviços postais.

É tempo de repensar, não o contrato de concessão, que é descaradamente incumprido, mas a própria propriedade dos CTT (sigla como os Correios de Portugal são conhecidos), empresa que está a ser descapitalizada.

Afinal qual era o problema dos Correios Portugueses?
Afinal qual era o problema dos Correios Portugueses?
Leia mais
2+

Venda dos Correios pode levantar R$ 15 bilhões em 2021

Venda dos Correios pode levantar R$ 15 bilhões em 2021 .

Os Correios podem ser vendidos por até R$ 15 bilhões. Essa é a estimativa do ministro das Comunicações, Fábio Faria. Em entrevista à Bloomberg, o ministro disse que a privatização da estatal está em fase final, e o projeto será encaminhado ao Congresso até o fim do ano.

Venda dos Correios pode levantar R$ 15 bilhões em 2021.
Venda dos Correios pode levantar R$ 15 bilhões em 2021
Leia mais
1+

Privatização dos Correios atrai cinco gigantes da logística

Privatização dos Correios atrai cinco gigantes da logística. Nesta quinta-feira (17), o ministro das comunicações, Fábio Faria, afirmou que há um cinco empresas interessadas na compra dos serviços postais dos Correios. De acordo com ele, dentre elas estão a Amazon, Magazine Luiza, DHL e FedEx. A informação foi divulgada durante uma live para o Traders Club.

Privatização dos Correios atrai cinco gigantes da logística
Privatização dos Correios atrai cinco gigantes da logística
Leia mais
1+