Categoria: Transporte

Boeing vende US$1bi de peças via ecommerce

Boeing vende US$1bi de peças via ecommerce . A Boeing anuncia que atingiu um marco no comércio eletrônico (e-commerce) neste ano em um tempo recorde para a empresa, atingindo US$ 1 bilhão em pedidos online mais de três meses mais rápido do que sua melhor marca anterior.

Boeing vende US$1bi de peças via ecommerce
Boeing vende US$1bi de peças via ecommerce

O marco foi impulsionado pelos avanços do comércio eletrônico e pelo aumento da demanda dos clientes de serviços comerciais, indicando a contínua recuperação do mercado a partir do impacto da COVID-19.

“Estamos vendo a inovação ser acelerada por necessidade em nossos negócios de serviços, à medida que a indústria aeroespacial emerge de um dos períodos mais difíceis que enfrentamos”, disse Ted Colbert, presidente e CEO da Boeing Global Services.

“As soluções de cadeia de suprimentos de pós-venda que a Boeing oferece, como suporte de peças, são um serviço essencial para nossos clientes à medida que eles emergem da pandemia. Os avanços digitais que estamos promovendo nos permitem sermos ágeis em nossa resposta à recuperação desigual e simplificarmos a forma como a Boeing apoia os clientes”, complementa Colbert.

Publicado originamente com o título “Boeing comemora US$ 1 bilhão em venda de peças por comércio eletrônico”.

Você pode acompanhar outras notícias sobre aviação em geral ou sobre a Boeing em particular (como no post “Boeing e Airbus encerram disputa de mais de 17 anos“) através do campo “Pesquisar”

Autor: Murilo Basseto

Fonte: AeroIn

Natura testa entrega de produtos via drones

Natura testa entrega de produtos via drones .A Natura se prepara para transportar cosméticos em drones a partir de 2022. A iniciativa é resultado de uma parceria da companhia com a Speedbird Aero, iniciada a partir de um programa para identificar startups com potencial para trabalhar junto com a empresa.

Natura testa entrega de produtos via drones  Foto: Guilherme Missumi/Divulgação
Natura testa entrega de produtos via drones

No momento, as companhias trabalham juntas em testes internos para avaliação dos melhores veículos para o transporte de produtos. Também analisam rotas para solicitar autorização de voo à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Segundo a Folha de S. Paulo, um dos objetivos da Natura ao adotar a tecnologia é avançar na busca por zerar suas emissões líquidas de carbono até 2030, disse Leonardo Romano, diretor de cadeia de suprimentos, inovação e logística do grupo Natura & Co.

Além disso, a companhia busca melhorar a experiência do consumidor e acelerar entregas em regiões mais distantes de seus centros logísticos e de acesso mais difícil, segundo a publicação.

A empresa diz que o projeto piloto será feito por equipamentos com capacidade de voar por até 200 km no primeiro trimestre de 2022. Os drones devem ter capacidade de carregar encomendas de até 10 kg.

A empresa não informa em quais cidades a iniciativa irá começar.

Perfume pela janela? Ainda não

Segundo a reportagem, Romano diz que, apesar do potencial dos drones, ainda não é o momento de esperar um drone entrando pela janela com perfumes. A regulação, por questões de segurança, exige que sejam definidos previamente locais de partida e aterrissagem para as rotas da empresa.

No caso da Natura, estão em análise áreas em locais como shoppings centers, condomínios residenciais e centros de distribuição.

Outra ideia em análise é que caminhões levem produtos de algum dos dez centros de distribuição até áreas de decolagem de drones para que eles possam ser levados rapidamente até o consumidor, lojista ou consultor da empresa.

Fonte: Folha de S. Paulo e Ecommerce Brasil

Mercado Livre não tem interesse nos Correios

Mercado Livre não tem interesse nos Correios . O Mercado Livre espera terminar 2021 com oito centros de distribuição no Brasil e inaugurar mais um em 2022 e está trabalhando para expandir sua malha de última milha, de olho em conseguir atingir entregas mais rápidas em um ambiente de forte competição com grupos locais.

Por conta dos investimentos na expansão de sua malha logística própria, o Mercado Livre não tem interesse em participar do processo de privatização dos Correios. O investimento total da companhia previsto para 2021 no Brasil é de 10 bilhões de reais, boa parte disso em logística.

“A gente hoje se sente muito confortável em dizer que não faz sentido participar da privatização dos Correios”, disse o vice-presidente de logística do Mercado Livre para a América Latina, Leandro Bassoi, em entrevista a jornalistas.

“A gente entende que a construção que tivemos dentro de casa foi muito mais eficiente, feita da nossa forma, e conseguimos encontrar ativos logísticos com mais facilidade trabalhando dentro de casa para fora do que fazendo sinergias com uma empresa com tantos anos de história e com seus ativos já existentes”, acrescentou.

O Mercado Livre anunciou a inauguração de dois novos centros de distribuição no Brasil: um em Franco da Rocha (SP), que começa a operar ainda este ano, e outro na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), que será implementado em 2022.

A companhia, que tem cerca de 12 milhões de vendedores em sua plataforma no Brasil, pretende terminar este ano no país com 8 centros de distribuição, 18 centros de transferência de produtos (chamados de “crossdockings” pela empresa) e elevar a malha de centros de armazenamento de última milha dos atuais 80 para 100 unidades.

No segundo trimestre, segundo Bassoi, 91% das entregas do Mercado Livre foram feitas dentro da malha logística da companhia no Brasil. O executivo afirmou ainda que em 2.100 cidades do país a empresa consegue entregar produtos em até 1 dia. Entregas feitas no mesmo dia da compra são realizadas em 50 cidades, disse o executivo.

Autor: Alberto Alerigi Jr.

Fonte:Isto É Dinheiro

FlixBus estreia no País para concorrer com a Buser

FlixBus estreia no País para concorrer com a Buser . As estradas brasileiras estão prestes a receber mais um competidor no ramo de ônibus interestaduais. O unicórnio alemão FlixBus, que é uma espécie de Uber dos ônibus, está pronto para iniciar a operação no País, esperando apenas a liberação de órgãos reguladores, como a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Concorrente direta da brasileira Buser, a empresa separou US$ 100 milhões (cerca de R$ 507 milhões no câmbio atual) para investimentos por aqui.

FlixBus estreia no País para concorrer com a Buser
FlixBus estreia no País para concorrer com a Buser
Leia mais

9 tendências para a aviação após Covid-19

9 tendências para a aviação após Covid-19 . A súbita parada imposta à indústria da aviação pela crise do Covid-19 atingiu duramente o setor. Em abril de 2020, dois terços da frota mundial de aviação comercial ficaram ociosos, enquanto o tráfego de passageiros caiu 90% em relação ao ano anterior. Hoje, a indústria da aviação está lentamente se recuperando, liderada pelas viagens domésticas.

9 tendências para a aviação após Covid-19
9 tendências para a aviação após Covid-19
Leia mais