Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras

Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras . “Mais dinheiro ou menos regras”. CTT impõem condições para assegurar serviço universal de correio . De acordo com a edição em papel de hoje, dia 24 de outubro, do jornal ‘Expresso’, os “CTT querem mais dinheiro ou menos regras para manter serviço universal”, porque a “travagem decorrente da pandemia provoca descida de dezenas de milhões nas receitas (…)”, da empresa.

Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras. Fonte Jornal Econóico Pt
Correios Portugal Mais dinheiro ou menos regras – Fonte: Jornal Económico PT

Os CTT querem novas regras para assegurar o serviço universal de correio que irá ser atribuído no novo contrato, que deverá iniciar-se a 1 de janeiro do próximo ano.https://s.frames.news/cards/lucro-dos-ctt/?article-id=1666646&publisher=www.jornaleconomico.sapo.pt&publisher=www.jornaleconomico.sapo.pt

De acordo com a edição em papel de hoje, dia 24 de outubro, do jornal ‘Expresso’, os “CTT querem mais dinheiro ou menos regras para manter serviço universal”, porque a “travagem decorrente da pandemia provoca descida de dezenas de milhões nas receitas (…)”, da empresa.

O jornal em causa adianta que o concurso para o novo contrato de serviço universal de correio “ainda não arrancou e Portugal vai chegar a 2021 sem contrato de concessão”.

“Começou a contagem decrescente para o fim do contrato de concessão do serviço postal universal prestado pelos Correios. E tudo leva a crer que iremos chegar a 1 de janeiro de 2021 com as negociações ainda em aberto e sem prestador”, resume a notícia do ‘Expresso’, acrescentando que “o presidente dos Correios, João Bento, tem dito que a atual situação é insustentável e que o preço cobrado pelo correio normal (53 cêntimos) é manifestamente insuficiente face às exigências de qualidade impostas pelo regulador – a Anacom – e à quebra acentuada da margens da empresa”.

Leia também Afinal qual era o problema dos Correios Portugueses? (clique aqui para ler) e Correios Portugueses aumentam participação no mercado doméstico (clique aqui para acessar o post)

Fonte: Jornal Económico/PT

1+