Isolamento social em aviões

Isolamento social em aviões. Tentando se adaptar ao novo normal, que virá nos primeiros meses após a pandemia e ninguém sabe até quando vai durar, diversas empresas têm elaborado novos conceitos para as viagens. Um dos objetivos de tudo isso é fomentar a demanda e dar conforto aos passageiros a bordo das aeronaves, uma vez que muitas pessoas ainda terão receio de viajar próximas de outras por algum tempo.

Isolamento social em aviões - Alternativa de divisórias
Isolamento social em aviões – Alternativa de divisórias

Pensando nisso, a empresa italiana Avio Interiors desenvolveu dois conceitos de solução para interiores de aviões, em que busca assegurar o isolamento social a bordo. Num deles, a empresa prevê apenas a instalação de um kit sobre os assentos, enquanto que o outro é mais radical e prevê mudar a disposição dos assentos.

O primeiro conceito apresentado é o “Glassafe”, uma tela a ser colocada sobre o assento que é feita de material transparente a fim de não afetar a harmonia e estética da cabine, enquanto cumpre com o objetivo de isolar os passageiros ou minimizar contatos e interações via ar entre eles, de modo a reduzir a probabilidade de contaminação por vírus.

A ideia é que a divisória seja fornecida com um sistema de fixação que permita a fácil instalação e remoção. Segundo a fabricante, haverá opções em material opaco ou com diferentes graus de transparência, dependendo do objetivo da empresa aérea contratante.

Isolamento social em aviões - Alternativa de nova disposição dA poltronas
Isolamento social em aviões – Alternativa de nova disposição das poltronas

O segundo conceito apresentado é o chamado “Janus”, que remete ao deus da Roma Antiga de duas faces.

Essa proposta se distingue da anterior pela posição reversa do assento central, procurando garantir o máximo isolamento entre os passageiros sentados. Enquanto os passageiros sentados nos assentos laterais, no corredor e na janela, continuam posicionados na direção do voo, como de costume, o passageiro sentado no centro está voltado para trás.

Segundo a empresa, esse arranjo permite que todos os três passageiros sejam separados por um escudo feito de material transparente que os isola um do outro, criando uma barreira protetora para todos. Cada passageiro tem seu próprio espaço isolado dos demais, mesmo de pessoas que andam pelo corredor. A análise é a de que isso impediria a propagação da respiração ou de tosses e espirros para os ocupantes dos assentos adjacentes.

Em resumo

Muitas ideias vão aparecer ainda e é difícil precisar como acontecerá a recuperação da demanda de passageiros após a pandemia. E isso não está necessariamente ligado apenas ao medo que muitas pessoas terão de voar para evitar a exposição ao vírus, mas também à recessão que vem adiante, reduzindo o poder de compra ou mudando as prioridades.

O fato é que a aviação terá sim um “novo normal” e, ainda que não seja possível indicar com precisão como ele será, novas tecnologias e processos deverão ser empregados para assegurar uma viagem mais tranquila e segura a todos.

Fonte: AEROIN

2+