Airbus alerta funcionários de que precisa reduzir gastos

Airbus alerta funcionários de que precisa reduzir gastos  .O diretor-executivo da Airbus, Guillaume Faury, alertou os funcionários que a fabricante de aviões está “gastando muito dinheiro” e precisa reduzir rapidamente os custos para se adaptar a uma indústria aeroespacial radicalmente atingida pela pandemia de coronavírus.

Airbus alerta funcionários de que precisa reduzir gastos
Airbus alerta funcionários de que precisa reduzir gastos 

Com os clientes das companhias aéreas lutando para sobreviver e sem capacidade de aceitar novas aeronaves, a Airbus está fazendo malabarismos com seus cronogramas de entrega e reavaliando suas perspectivas de longo prazo para a indústria aeroespacial, disse Faury à equipe em carta enviada na sexta-feira e a qual a Bloomberg News teve acesso.

Segundo ele, um plano para reduzir a produção em um terço, anunciado no início deste mês, pode “não refletir nosso pior cenário”.

Repercussão:Para especialista, não fazer parceria com a Boeing agora pode até ser positivo para a Embraer

“Estamos gastando dinheiro a uma velocidade sem precedentes, o que pode ameaçar a própria existência de nossa empresa”, escreveu. “Agora devemos agir com urgência para reduzir nossos gastos, restaurar nosso equilíbrio financeiro e, finalmente, recuperar o controle de nosso destino”.

A Airbus se recusou a comentar sobre suas comunicações internas..

O fabricante europeu e sua rival americana Boeing estão tentando lidar com uma queda na demanda causada pela pandemia de coronavírus que abalou a indústria aeroespacial comercial. A Airbus aumentou sua liquidez em 15 bilhões de euros (US$ 16,2 bilhões) para enfrentar a crise, enquanto a Boeing está em negociações para obter ajuda dos EUA.

Ambas as empresas estão se preparando para cortes de empregos, procurando avaliar a profundidade da crise e o ritmo da recuperação.

Acordo Embraer desfeito

O alerta Airbus foi feito um dia depois de a Boeing ter anunciado a desistência de um plano de US$ 4,2 bilhões para combinar seus negócios de jatos com a brasileira Embraer. A expectativa é que a empresa com sede em Chicago reduza a produção do Dreamliner em cerca de metade e anuncie reduções na força de trabalho.

Americana afirma que exigências do negócio não foram cumpridas. Brasileira acusa fabricante do 737 Max de fazer alegações falsas para não fechar transação.

Os resultados do primeiro trimestre da Airbus e Boeing devem ser anunciados no dia 29.

A Airbus entrou em crise de maneira mais saudável, e o colapso do acordo da Embraer com a Boeing reforça a vantagem da empresa européia no importante mercado de aeronaves de fuselagem estreita, onde os volumes têm sido muito maiores.

Ainda assim, a crise representa uma ameaça para os fabricantes de aviões. “A indústria da aviação emergirá nesse novo mundo muito mais fraco e vulnerável do que o nosso”, disse Faury.PUBLICIDADE

Economizar dinheiro é fundamental. No primeiro trimestre, a Airbus gastou 6,5 bilhões de euros e a Boeing US$ 8 bilhões, segundo cálculos do analista Carter Copeland, da Melius Research.

A Airbus já cancelou os planos de adicionar outra linha de montagem para o A321 na fábrica de Toulouse, França, e diminuiu a produção do seu mais novo jato, o A220. Na sexta-feira, a empresa lançou o projeto E-Fan X com a Rolls-Royce para aeronaves elétricas híbridas.

A empresa tomou medidas como colocar de licença cerca de 3.000 funcionários franceses, embora Faury tenha dito que medidas de maior alcance podem ser necessárias.

Veja também Boeing desiste de comprar Embraer (clique aqui)

Fonte: O Globo

1+