Interrupção de voos internacionais em São Paulo

Interrupção de voos internacionais em São Paulo  . Além de queda de 80% nos voos nacionais. O sistema aéreo é um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus. e o secretário de Turismo de São Paulo, Vinicius Lummertz, prevê um cenário dramático para abril e maio. Ele disse que a tendência é que todos os voos internacionais com destino ao Brasil sejam interrompidos.

Interrupção de voos internacionais em São Paulo

A situação interna também é complicada e a projeção é de manter somente um quinto dos voos doméstico. A combinação causaria forte desaceleração no turismo.

Relacionadas

“O que nós vimos é que os voos internacionais vão para zero. E os voos internos vão caminhar para menos de 80%. Então, o impacto vai ser importante.”

Lummertz lembrou que American Airlines e Alitalia cancelaram as viagens para o Brasil. Ele ressaltou que os voos internacionais são ainda mais difíceis de coordenar porque as decisões são tomadas em outros países.

O secretário de Turismo lembrou ainda que a Gol interrompeu os voos com destinos internacionais até o final de junho. Na Azul, desde a segunda-feira todos os voos internacionais, exceto os que partem de Campinas (SP), foram suspensos.

Lummertz avalia o alívio começara somente em julho e ainda assim, não será uma recuperação completa. Para evitar uma quebradeira nas companhias aéreas, houve uma reunião entre integrantes do governo paulista e representantes das companhias brasileiras.

Ele explicou que as empresas não estão pedindo isenção fiscal, mas aumento de prazo para pagar seus débitos com o poder público, algo que o governo não está disposto a fazer. Sobre a ampliação do período de pagamento, ele sinalizou que pode ser atendido.

“Nós estamos analisando os pleitos com bons olhos para que elas possam manter um número de voos no ar. Pedimos que mantivessem tarifas razoáveis e vai manter o mesmo sistema tarifário. Hoje, 80% está concentrado na faia de R$ 350”.

Ontem, foi anunciada uma linha de crédito de R$ 275 milhões por parte do governo paulista. O turismo é um dos três setores contemplados. Lummertz acrescentou que é importante manter os voos domésticos mesmo em tempos de crise por causa do transporte de carga e de agentes de saúde e segurança pública.

A expectativa do secretário de Turismo é que a situação comece a melhorar em junho e se normalize em julho. Ele falou que procura um acordo com a rede hoteleira para não haver aumento de preço nesta fase.

“O cenário é abril ruim, maio ruim e junho não tão bom. A partir de julho esperamos um outro cenário. Teremos a melhor primavera de nossas vidas.”

O governo federal também está agindo para socorrer o setor aéreo. Uma medida provisória foi assinada ontem à noite concedendo ajuda federal às companhias para arcar com reembolsos de passageiros.

Além do auxílio financeiro, o governo irá ampliar não só o prazo para realização dos reembolsos como também para o pagamento das outorgas aeroportuárias por parte das empresas — a taxa serve para pagar o uso dos terminais. Elas poderão ser quitadas do meio para o fim do ano.

Fonte: Uol 

1+